17 de set de 2011

Porque Niterói?

Ahhh... o MAC, com ou sem controvérsias, é lindo!!!
E se a visita já vale a pena pela obra, pela vista, está ainda mais imperdível com a exposição do polonês, radicalizado brasileiro, Franz Krajcberg, escultor, pintor e fotógrafo.
Krajcberg chegou ao Brasil em 1948 e foi aqui que renasceu. O artista vive seu discurso em uma casa construída sobre uma árvore, no Sul da Bahia, onde transforma as dores das queimadas em poemas de alerta.
Em 1964 executou as suas primeiras esculturas em troncos de árvores mortas. Realizou diversas viagens à Amazônia e ao pantanal Mato-Grossense, fotografando e documentando os desmatamentos, além de resgatar material para suas obras, como raízes e troncos calcinados.   
As obras de Franz tem uma grande força, não apenas pelo tamanho, mas pelo ato crítico que refletem e nos emociona com sua beleza deslumbrantemente triste.


  “”Nasci  deste mundo que se chama‘ natureza, e o grande impacto da natureza foi no Brasil que senti.  Aqui eu nasci uma segunda vez. Aqui eu tive a consciência de ser homem e de participar da vida com minha sensibilidade, meu trabalho, meu pensamento.”